terça-feira, 10 de maio de 2016

Caminho certo


As medidas que vêm sendo implantadas visando um trânsito mais seguro têm apresentado resultados que vão muito além de números. São vidas salvas, lesões e danos materiais evitados e economia para cidadãos, estado e empresas.


Houve redução de 20,6% no número de mortos de 1249 para 992 vítimas, representando 257 vidas salvas. 
Pela primeira vez, o número foi inferior a 1000. Em 1979, ano em que o levantamento foi feito pela primeira vez, morreram 2495 pessoas frente a uma população de 8.190.189 habitantes, ou seja, índice de mortos de 30,46 mortos por 100.000 habitantes.
Em dezembro de 2015 atingimos um índice de 8,26 mortos por 100.000 habitantes dentro das projeções, indicando a possibilidade de atingir a meta (ONU/OMS 2010) de redução do índice em 50% ainda em 2016.

Veja alguns dados apresentados nas páginas 15 e 16 do relatório:

- As Marginais Tietê e Pinheiros juntas apresentam redução de 32,8% (redução de 24 mortes) de 73 para 49. O acompanhamento mensal indica que a redução mais significativa ocorre a partir do mês de julho, quando da redução de velocidades);
- A estrada de Itapecerica apresenta uma redução de 63,6% (redução de 14 mortes) de 22 para 8;
- A estrada do M’Boi Mirim apresenta uma redução de 57,1% (redução de 12 mortes) de 21 para 9;
- A avenida Jacu-Pêssego apresenta uma redução de 47,8% (redução de 11 mortes) de 23 para 12;
- A avenida Sen. Teotônio Vilela apresenta uma redução de 40,0% (redução de 8 mortes) de 20 para 12;
- A avenida Mal. Tito apresenta uma redução de 60,0% (redução de 9 mortes) de 15 para 6;
- A avenida Sapopemba apresenta uma redução de 68,7% (redução de 11 mortes) de 16 para 5;
- A avenida Belmira Marin apresenta uma redução de 38,5% (redução de 5 mortes) de 13 para 8;
A partir destes resultados, associados aos observados no mapa de distribuição regional (página 8 do 2015 e página 7 do relatório de 2014), pode-se afirmar que as ações aplicadas à mobilidade obtiveram alcance em todo o território do município com destaque para regiões periféricas, como mostram os dados ao lado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário