quinta-feira, 17 de setembro de 2015

São Paulo terá faixa exclusiva para pedestres

Após implantar mais de 390 km de faixas exclusivas para ônibus, a Secretaria de Transportes da cidade de São Paulo lançará uma faixa exclusiva para pedestres. Elaborado pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), a proposta consiste de um complemento da largura da calçada por meio de pintura de solo antiderrapante, na cor verde, reforçada com uso de outros elementos de sinalização, tais como segregadores, balizadores e tachas refletivas. O objetivo é melhorar as condições de conforto e segurança para quem anda a pé, em vias onde há grande movimentação de pedestres.

O projeto-piloto da faixa verde será na Av. da Liberdade, com previsão de entrega para o mês de outubro. Foi executada primeiramente a regularização do pavimento no trecho a ser implantado, que é da Ruas dos Estudantes até a Rua São Joaquim, no sentido bairro-centro, perfazendo uma extensão de 750 metros e largura bruta de 1,5 metros (ou 1,2 metros úteis, descontando-se a largura dos dispositivos). A largura média da calçada já existente varia entre 2 e 4 metros aproximadamente. Atualmente está em processo de implantação de sinalização e adequações de geometria. Essa avenida foi escolhida para a implantação do piloto porque concentra várias universidades, hospitais e estações de Metrô numa curta extensão.

Faixa Exclusiva para pedestres - Av. da Liberdade

Haverá, também, adequações de geometria, com prolongamento da calçada existente junto aos pontos de parada de ônibus e às esquinas, de maneira a minimizar os riscos comuns a esses pontos de conflito entre pedestres e veículos.

No trecho onde será implantado o projeto piloto há uma grande concentração de escolas e universidades, além de atividades de comércio e serviços e acessos a estações do Metrô, além de três pontos de parada de ônibus. Nos horários de pico, especialmente de entradas e saídas de escolas, chega-se a verificar, atualmente, cerca de 400 pessoas/hora caminhando pelo leito carroçável da via, junto ao tráfego de veículos, por insuficiência de espaço nas calçadas. Em alguns pontos daquele trecho verifica-se a um fluxo de cerca de 5.500 pessoas/hora, como é o caso das proximidades do acesso à estação São Joaquim do Metrô, onde 5% dessas pessoas caminham pela faixa de veículos, expondo-se a um elevado risco de atropelamento.

A iniciativa vai ao encontro da atual política de mobilidade urbana defendida pela Prefeitura, de dar prioridade à circulação dos atores mais vulneráveis do trânsito, pedestres e ciclistas. Priorizar o pedestre é uma determinação do Código de Trânsito Brasileiro (CTB) e, também, da Lei da Política Nacional de Mobilidade Urbana, segundo a qual o trânsito de pessoas se sobressai em face da estrutura viária historicamente voltada à circulação de automóveis (transporte individual motorizado).

Dados de contagens volumétricas de pedestres realizadas em 3/09/15 mostram um total de 3535 pedestres no pico da manhã (7:30h às 8:30h) e 5386 pedestres no pico da tarde (18:30h às 19:30h) utilizando a área de calçada com largura aproximada de 5,30m, nas proximidades da R. São Joaquim. Deste total de pedestres 0,5% ( pico manhã)  e 5% (pico tarde) utilizam a pista de rolamento para realizar o deslocamento à pé, percentual este que aumenta para 6,2% ( pico manhã) e 14% ( pico tarde) em direção à R. Fagundes, onde a calçada apresenta uma largura aproximada de 3,0m.
Outro trecho com dado relevante é entre a R. Fagundes e R. Barão de Iguape com calçada de largura variável de 1,30 a 2,0m com volume total de pedestres de 794 no pico da manhã e 1639 pedestres no pico da tarde, dos quais 5,0% e 24%, respectivamente utilizam a pista de rolamento para realizar o deslocamento à pé.

Vale ressaltar que a capacidade viária da Av. da Liberdade será mantida. Será feito rebalizamento das faixas de tráfego com utilização da técnica de engenharia MULV (Máxima Utilização do Leito Viário), mantendo-se a faixa de ônibus existente no trecho entre a R. Barão de Iguape e Praça João Mendes com largura entre 3,20m a 3,50m e faixas para os demais veículos com largura média de 2,80m.

Sinalização diferenciada
O projeto proposto para a Av. da Liberdade será executado em caráter piloto, com pintura especial na cor verde antiderrapante, segregadores amarelos fixados a cada metro intercalados por tachas refletivas brancas aplicados sobre linha de canalização branca. Balizadores cilíndricos com refletivos brancos deverão ser instalados no início e no fim das guias rebaixadas veiculares.  Ao longo do espaço destinado ao novo passeio, será necessário proibir o estacionamento em período integral, onde atualmente é proibido estacionar de segunda a sexta-feira, das 6 às 23 horas.

Faixa Exclusiva para pedestres - Av. da Liberdade
    Além da sinalização, haverá obras para alargamento das calçadas em alguns trechos.


Materiais de sinalização previstos
  • Dispositivos de canalização utilizados – 192 unid. de segregadores amarelos fixados à cada metro, intercalados com 274 unid. de tachas refletivas brancas a cada metro aplicados sobre linha de canalização de 0,20m de largura ao longo do avanço em pintura. A utilização de tachas se deve à necessidade de elemento refletivo nos dispositivos de canalização uma vez que o segregador é desprovido de refletivos.
  • Pintura verde em metilmetacrilato antiderrapante: 722m² ; 
  • Pintura da linha de canalização branca em Hot Spray – 486m² considerando a pintura do rebalizamento das faixas de tráfego, necessárias para inclusão do espaço destinado ao novo passeio.
  • Balizadores cilíndricos: 42 unid. de cilindros com 8mm de diâmetro brancos com refletivos brancos.
  • Placas de regulamentação de estacionamento e suportes: substituição de 9 placas regulamentando estacionamento proibido ao longo do trecho e substituição de 5 suportes projetados para adequação da sinalização de faixa exclusiva existente. 
Avanço de passeio em concreto junto aos pontos de ônibus – 196,0m²

O custo estimado de implantação desse piloto é de R$ 320 mil.

Memória
Em  agosto de 2011, a gestão do então prefeito Gilberto Kassab implantou o primeiro avanço de calçada através de pintura de solo feita na cor azul, com instalação de balizadores, no cruzamento do Largo do Paissandú com a Rua Capitão Salomão, bem na esquina. Após essa implantação, o “puxadinho azul”, como foi batizado informalmente o projeto pela imprensa na época, foi colocado em outras interseções da cidade. Atualmente, essas áreas estão desativadas, já que a cor azul está mais associada tradicionalmente à regulamentação de estacionamento do que à circulação prioritária de pedestres. 




Nenhum comentário:

Postar um comentário